sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

proposta.pares.



Pares é um filme sobre busca e reparação através de um encontro. Dois personagens que, à suas maneiras, fogem da asfixia de seus mundos e buscam um movimento que lhes modifique. Marcados por experiências profundamente particulares, Vicente e Alicia desejam se reintegrar ao mundo do qual, outrora, foram apartados. Seja Vicente, pelo luto; e Alicia, pela sua história marcada por violência; ambos anseiam veemente pelo encaixe, pela comunhão – pelo par.

Para tratar de uma trajetória íntima, repleta de pormenores; a direção pretende explorar com uma delicadeza compassada os universos de cada personagem. Na construção de um tempo diegético mais estendido, como na seqüência inicial de Vicente, há planos mais longos e fixos, ressaltando a reclusão e a passagem de tempo de acordo com o luto do personagem.

De Vicente, alterna-se para a perspectiva de Alicia da história. Ao acompanhá-la, o olhar é um dos aspectos fundamentais da narrativa audiovisual. Quando Alicia, como uma “intrusa”, adentra a escola; tudo é novo: o espaço, as pessoas e os comportamentos. Por enquanto, ela está presa numa busca sem nome determinado. Sendo assim, a câmera registra Alicia observando, captando suas reações àquele universo. O tempo dos planos é marcado pela hesitação e decisão da personagem. As diferentes sensações de Alicia são o fio “guia” da narrativa e, são as mesmas que acabam motivando o próximo passo da personagem.

A busca de Alicia envolve aceitação. Para ela, essa procura é impossibilitada pela história de violência que a envolve. Ela não se sente confortável em dividir seus hematomas com ninguém; portanto fazer parte de um grupo torna-se dificultoso. Sendo assim, a câmera é cúmplice de Alicia. Ela está sempre com ela e dividirá muito pouco com o grupo. Essa lógica será progressivamente revertida quando Alicia encontra Vicente. É ele o nome, o rosto e o corpo dado à busca incessante de Alicia. É a peça que lhe faltava. O par.

Na seqüência em que Vicente invade a sala de aula, de imediato, Alicia percebe que ele não faz parte daquele grupo. Ele, também, por um motivo explicitado mais adiante, não se sente confortável ali. A partir daí, a câmera que acompanha Alicia “cede” e incorpora Vicente em seus enquadramentos. Aos poucos, o objeto da curiosidade de Alicia – Vicente – torna-se também o objeto de curiosidade da câmera e, por conseguinte, do espectador.

Lentamente, Vicente ganha espaço naquilo que o olhar de Alicia alcança. Como conseqüência, os enquadramentos o procuram. Portanto, ao longo do desenvolvimento da trama, saímos de uma câmera “independente” do outro – focando-se em Alicia; depois temos em quadro aquilo que Alicia vê – Vicente – e por fim, na seqüência final, a câmera mantém os dois personagens juntos no mesmo enquadramento. Seja na composição de primeiros e segundos planos, ou numa mesma camada; a câmera, ao fim, busca a “comunhão” de Vicente e Alicia – convergindo para o final do filme.

Alicia é impelida a seguir Vicente até sua casa. O fascínio, em primeiro lugar - decorado com a curiosidade e a esperança de ter encontrado alguém com quem possa se unir - a move. Seja um ou todos esses elementos agrupados as motivações de Alicia. Nessa sequencia, o que está em jogo é o desejo de Alicia em passar-se despercebida. Logo, o plano-seqüência da “perseguição” conta com a sutileza da câmera. Não há lugar para o caos da câmera tremida ou movimentos bruscos. Toda a tensão construída é mantida em suspensão até a seqüência final onde uma espécie de acordo tácito é selado.

Uma importante referência para a atmosfera do filme é a obra La Niña Santa (A Menina Santa, Lucrécia Martel, 2001). O espaço do filme de Martel é um hotel, no qual a protagonista “persegue” o médico por quem se interessa. A aproximação também acontece com muito cuidado e, ao longo dos dias, a protagonista observa a rotina do médico e progressivamente invade seus espaços.

A câmera que segue a protagonista de Martel é suave e cuidadosa, assim como a de Pares. Procura pelo detalhe, das mãos, pernas e olhos. Nesse sentido, a própria mise-en-scène é pautada pelo cuidado. Os gestos são meticulosos. Em Pares, os personagens não correm ou gritam. As experiências vividas por Vicente e Alicia os deixaram cautelosos. Amedrontados. Qualquer movimento de aproximação e recepção torna-se um desafio.

O ritmo do filme é pensado de modo a não interromper a tensão cuidadosamente criada. São planos de duração estendida, sem espaço para o “multi-recorte”. A prioridade da montagem será captar o “respiro” entre as cenas, de acordo com o tempo dos atores. Nesse sentido, a direção de atores ocupa o eixo central da cadência da história.

Os momentos que marcam a aproximação dos dois são marcados também sonoramente. Sua composição é centrada num leitmotiv – tema musical curto que se repete à medida que o mesmo “assunto” é apresentado. Quando Alicia observa Vicente, por exemplo, o leitmotiv composto por poucos instrumentos musicais (piano e mais um instrumento de corda) é reproduzido e, ao longo do filme, potencializa-se a fim de evidenciar o aumento de tensão. A Trilha Musical de Pares possui uma abordagem minimalista, referenciando-se em De Olhos Bem Fechados (Stanley Kubrick, 1999).

Nos pontos de vista de Vicente ou de Alicia, há considerável informação fora de quadro, trabalhada principalmente pelo Desenho de Som. Enquanto Vicente caminha até a escola, os sussurros incomodados dos alunos ficam a cargo do Som.

A Direção de Arte assume uma proposta realista, permeada por meios tons, com pouca saturação. Exceção são os objetos pessoais dos personagens, os quais pretendem refletir forte vínculo emocional através da vivacidade das cores.

O filme pretende criar margem para diferentes interpretações. Para algumas pessoas, Alicia é a própria irmã de Vicente, quem finalmente voltou à sua casa. Para outras, Alicia é apenas uma conhecida de Vicente. Para outras, ela assume o papel da figura perdida por Vicente; dando assim, um sentido novo ao processo de luto. Talvez contribuindo para o fim do mesmo. A direção pretende explorar a cena final de modo a sustentar essas possibilidades de interpretação.

Pares é um filme acerca do encontro de dois personagens intensos. Todas as nuances e contradições são impressas em cada olhar, aperto de mão ou um toque mínimo. A ansiedade pela busca do par é constantemente velada, mas o que subjaz a tanto custo, acaba por inflar-se. E assim, a qualquer instante, Alicia e Vicente irrompem. O filme irrompe. A vida, enfim, também acaba por irromper.

8 comentários:

  1. eu só tinha 6000 caracteres para explicar o que eu vou fazer com o Pares.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto. O roteiro, pelo menos até onde eu o conheço, está bem afinado com as intenções. Você claramente sabe o que faz, e escreve muito bem. Gostaria de ler mais coisas assim, repito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. queria ler mais suas coisas também. você sabe. e obrigada. nem preciso dizer o quanto sua opinião significa.

      Excluir